Modelagem baseada em agentes como importante solução na despoluição dos mares.

 em Softwares

Constantemente ouvimos dizer que nossos mares e oceanos estão repletos de plásticos. Mas a pergunta é como chegaram lá e por que isso é preocupante?

Os plásticos, assim como outros tipos de detritos marinhos, entram em nossos mares por meio das atividades humanas. Um dos principais agravantes são os lixos das ruas que são levados pela drenagem urbana durante eventos de chuvas e provavelmente acabarão chegando ao oceano. Além dos resíduos domésticos que acabam não tendo a destinação correta e dispensados próximo às margens de rios.

Um estudo da revista Science estimou que 8 milhões de toneladas de resíduos plásticos acabam nos nossos oceanos a cada ano. Material este que não é biodegradável, ou seja, permanecerão por lá por muito tempo!

O tempo de decomposição deste tipo material? Estima-se que são cerca de 500 anos, ou seja, cada pedaço de plástico que foi produzido até hoje ainda existe de alguma forma no meio ambiente.

 

Não há dúvidas na afirmação: O plástico é um agente nocivo aos oceanos.

Sua presença nas águas traz danos:

– Animais marinhos (através da ingestão e emaranhamento);

– Saúde humana (entra na cadeia alimentar);

– Na economia (afeta a segurança do transporte marítimo, turismo e recreação, por exemplo).

QUEM SALVARÁ OS NOSSOS OCEANOS?

Como a modelagem baseada em agentes e os modelos hidrodinâmicos ajudariam a mitigar tais problemas?

Uma forma de remover detritos dos mares é através da instalação de barreiras flutuantes, geralmente chamadas de sistemas de limpeza. Estes sistemas de limpeza podem ser implantados passivamente ou operados ativamente através de barcos, onde os detritos marinhos flutuantes ficam presos no sistema de limpeza, agindo como uma costa artificial.

Para que estes sistemas de limpeza possam capturar a maior quantidade de detritos marinhos, o segredo é tirar proveito de locais onde as correntes oceânicas agregam passivamente estes detritos.

A modelagem baseada em agentes (ABM), juntamente com modelagem hidrodinâmica, auxiliam a identificar os melhores locais para colocar estes sistemas de limpeza. O ABM de detritos marinhos é capaz de personalizar as características de deriva de detritos em relação a correntes, ondas e vento (por exemplo, forma, flutuabilidade, área de superfície exposta, orientação e posição na coluna de água).

 

Um estudo recente previu mais 61% de detritos aprisionados. O que torna as ações mais assertivas e eficazes!

Simulações realizadas pela DHI na Baía de Jacarta, Indonésia, identificaram locais que permitiriam tirar o máximo de proveito na implementação de sistema de limpeza.

Sendo a quantidade prevista de detritos aprisionados na zona identificada de transporte de detritos marinhos mais altos foi 61% maior, em comparação com um sistema de limpeza vizinho implantado a apenas 15 km desta zona identificada. Isso mostra que a modelagem de deriva passiva de detritos marinhos pode nos ajudar a otimizar a implantação de sistemas de limpeza e ser uma resposta importante para limpeza dos nossos oceanos.

A SOLUÇÃO

ABM Lab

Modelagem baseada em agentes

O ABM Lab oferece integração ímpar entre a modelagem baseada em agentes e a modelagem clássica hidrodinâmica e de qualidade da água.

Com o ABM Lab é possível solucionar questões além do escopo dos modelos tradicionais de ecologia e de qualidade da água. O ABM Lab é um laboratório numérico flexível utilizado para definir agentes, seus comportamentos e estados.

Descritivo Software ABM Lab - Powered by DHI

Postagens Recentes

Deixe um Comentário

Entre em contato

Nos envie um e-mail e retornaremos o mais rápido possível.